Blog

Linhas Cruzadas

Wair de Paula, Jr.

Belchior cantava “...e as paralelas dos pneus na água das ruas, são duas estradas nuas, em que foges do que é teu”. Tive uma ligeira epifania, de que estamos cercados por linhas desde que nascemos – desde nosso cordão umbilical, a que somos ligado uterinamente, às sofisticadas e invisíveis linhas que regem os canais de comunicação hoje em dia, as linhas perpassam nosso cotidiano de forma indelével, e às vezes desapercebidas. Embora eu ainda me incomode muito com a fiação dos cabos nas ruas, um verdadeiro emaranhado de linhas em franca e ascendente poluição visual, e isso realmente me incomode muito, fui picado pela questão linhas, tal como um curador que defina um tema para uma exposição. E fui direto na Tidelli (@tidellirio), mirando especialmente em sua novíssima linha chamada VIMARE, uma junção dos termos “Vibrazioni di Mare”, concebida pelo designer Matteo Cibic. Ele afirma que a inspiração veio após uma viagem à Bahia, onde os reflexos cintilantes do mar sob o sol formaram o leitmotiv desta coleção. O tapete acima é uma ótima ilustração desta idéia, suas linhas formando quadrados curvos, com a trama acentuada pela corda náutica. Uma verdadeira onda aos seus pés...

E a linha ainda originou dois armários absolutamente originais em seu conceito e concepção. Sobre uma estrutura formal, a corda náutica serve de revestimento, dando corpo e leveza ao produto. Eu achei uma idéia genial, daquelas que me dão até raiva por não ter pensado em fazer algo assim antes (embora tenha desenhado um biombo utilizando esse recurso no passado...). O armário é sinuoso, lindo em seu formato curvo, e a possibilidade de fazê-lo em diversas cores é um elemento agregador sem sombra de dúvidas.

O segundo móvel é uma cômoda/bar de proporções impecáveis, quase um móvel curinga, dada suas dimensões. A moldura do acabamento, que remete diretamente ao tapete, parece uma passamanaria, um detalhe delicado e extremamente atraente. Eu não sei se o designer pensou esses produtos apenas nessas duas cores (por remeter à inspiração original), em minha cabeça eu já teria uma versão em rosa forte com turquesa, outra em amarelo com cinza...a cada dia fico mais ousado no que tange às cores dos produtos – pena que a maioria dos showrooms brasileiros ainda se apóiam no trinômio cru/beige/cinza claro.

  

Literalmente pirei na luminária acima. Ela é resultado de um truque visual fascinante, pois é composta de 12 tubos/varas de borosilicato, e apenas um destes funciona como fonte de luz – parecem linhas de luz presas pelos aros de metal que sustentam a peça. Mais um daqueles produtos que eu adoraria ter pensado, a luminária NL12,da @dcw_editions (um bureau francês de móveis e luminárias) você pode encontrar na Dimlux (@dimlux_iluminacao). Esta peça confere modernidade e elegância a qualquer espaço, maravilhosa.

As linhas de sombra e luz provocadas pelas chaise-longues da Mac Móveis (@macmoveisrj) continuam o assunto deste post – linhas impecáveis de metal, que parecem apenas se apoiar umas nas outras, formando o conjunto de forma exemplar. Ainda não descobriram uma forma mais confortável de se tomar sol, este modelo de espreguiçadeira é um clássico, e o encosto regulável desta chaise permite que ela praticamente vire uma cama.

Já as linhas do desenho do Berço Wood Montessoriano, da Mundo do Bebê (@mundodobebe_rio) remetem imediatamente à idéia de uma casa. Este produto é extremamente versátil, pois permite dois estágios como berço e um como uma minicama, e ainda tem estrado antirrefluxo (coisa que eu nem sabia que existia!). As chances de eu ter um bebê engatinhando por minha casa são nulas nesta etapa da vida, mas se eu tivesse, este seria o berço mais adequado – seu formato de casinha seguramente iria inserir o bebê no meu universo, pois já é sabido que recebemos informações desde o primeiro momento de vida. E seria interessante ter um bebê com pretensões a arquiteto, já ia sair com uma biblioteca (a minha) e repertório afinados, modéstia a parte...

Acho que eu já postei esta poltrona da Mac (@macmoveisrj) aqui no blog, mas volto a fazê-lo por questões óbvias : eu acho ela chic com força! Suas cores terrosas, essas linhas/faixas/volumes de cor e esse “teto” protetor estão completamente dentro de meu ideário de referências. Aqui a empresa conseguiu fazer um produto leve e extremamente forte ao mesmo tempo, suas cores me lembram a arquitetura africana popular, onde se utilizam pigmentos naturais para pintar fachadas de casas de forma gráfica, deslumbrante.

Atendendo a um pedido de um cliente, a Tinoc (@tinocloja) projetou e executou esse móvel, para incorporar a adega. Suas linhas em madeiras de tonalidades diversas são um charme à parte, e o que poderia ser um móvel banal ganha status de peça única, diferenciada. Esta é uma característica de todas as lojas do Casashopping – sempre sabemos atender aos desejos de nossos clientes.  E a equipe da Tinoc é mestre nisso, pode verificar.

Neste projeto cheio de linhas verticais e perpendiculares, a luminária Peggy, da Dimlux (@dimlux_iluminacao) faz o contraponto necessário, com seus globos em vidro soprado leitoso e estrutura em metal. A racionalidade presente neste espaço, com suas linhas ora fortes, ora suaves, é a tônica de uma arquitetura vividamente contemporânea. Claro que, se fosse na minha casa, as estantes não teriam um centímetro quadrado livre, pois tenho uma biblioteca gastronômica de peso. Fora os objetos relacionados ao tema – almofarizes, bowls de toda sorte, tábuas de madeira nos mais variados formatos  e uma montanha de vidros transparentes que iriam se encaixar perfeitamente neste projeto.

E terminamos este post com a rainha das linhas curvas/orgânicas/entrelaçadas, a arquiteta e designer anglo-iraquiana Zaha Hadid, que foi reconhecida como um das maiores profissionais do final do século XX/começo do século XXI. Descobri que Zaha Hadid fez matemática antes de arquitetura, talvez isso explique o quociente de linhas emaranhadas em perfeita sintonia, em toda sua obra. Cheguei a vê-la certa vez em um restaurante em Nova Iorque, e quase não consegui terminar meu drink, tamanha excitação. Evitei a contragosto pedir um autógrafo, e hoje me arrependo de minha falta de ousadia. Para quem quiser se interessar por sua obra, o livro acima, da editora Taschen, é uma excelente pedida, e você pode adquiri-lo na Livraria Paisagem (@livrariapaisagem), garanto que é uma excelente aquisição para sua biblioteca.

Este post começou com uma citação musical, e não podemos esquecer que música graficamente falando é um conjunto de linhas (pauta) e pontos (notas), reforçando o conceito deste post  de que as linhas nos circundam todo o tempo, e sempre. Um escritor disse que a vida é uma história contada por idiota, cheia de som e fúria. Prefiro pensar que ela é uma história contada cheia de fios entrelaçados, com histórias e referências se encontrando - e separando - ao longo desta.

Compartilhe

Veja também


Comentários